Instituto Mamirauá - Conservação na Amazônia - Macacos da Amazônia: Conheça algumas espécies que você só encontra aqui - https://mamiraua.org.br/pt-br/comunicacao/noticias/2018/5/7/macacos-da-amazonia-conheca-algumas-especies-que-voce-so-encontra-aqui/

Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá

Notícias

Rafael Forte

Macacos da Amazônia: Conheça algumas espécies que você só encontra aqui

07/05/2018

Macaco-de-cheiro-de-cabeça-preta

Fernanda Paim

Das 156 espécies de primatas encontradas na América do Sul, 60% estão na Amazônia brasileira. É nesse lugar de biodiversidade riquíssima onde o Instituto Mamirauá desenvolve pesquisas sobre a ecologia e conservação de primatas.

Um deles é o macaco-de-cheiro-de-cabeça-preta (Saimiri vanzolinii). O simpático macaquinho existe apenas em uma pequena área da Reserva Mamirauá e encontra-se ameaçado de extinção. Recentemente o Instituto Mamirauá lançou uma campanha de financiamento coletivo para proteger a espécie. Saiba como você pode ajudar em www.mamiraua.org.br/ajude.   

O Instituto Mamirauá é uma unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

Confira a nossa lista e conheça mais sobre essa espécie e outros macacos fascinantes que você só encontra na Amazônia:

A região amazônica é um dos lugares mais impressionantes do planeta. Lá encontramos uma rica e diversa fauna. O Instituto Mamirauá, desde sua criação, desenvolve pesquisas sobre a ecologia e a conservação de primatas amazônicos. Um deles é o macaco-de-cheiro-de-cabeça-preta (Saimiri vanzolinii). O simpático primata existe apenas em uma pequena área da Reserva Mamirauá e encontra-se ameaçado de extinção. Recentemente o Instituto Mamirauá lançou uma campanha de financiamento coletivo para proteger a espécie. Saiba como você pode ajudar em www.mamiraua.org.br/ajude.   

Das 156 espécies de primatas encontradas na América do Sul, 60% estão na Amazônia brasileira. Conheça algumas na lista abaixo

Uacari-branco (Cacajao calvus calvus) 

Encontrado exclusivamente em florestas alagáveis, o uacari-branco chama atenção pela sua face avermelhada e sem pelos. A preservação desse primata foi um importante motivo para a criação da primeira Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Brasil, a Reserva Mamirauá. O uacari-branco possui um comportamento bastante ágil e é especialista em predar frutos quando ainda estão verdes. (Foto: Marcelo Ismar Santana)

 

Macaco-de-cheiro-de-cabeça-preta (Saimiri vanzolinii)

Espécie encontrada apenas em uma pequena área da Reserva Mamirauá, no Amazonas. Esse curioso e raro primata diferencia-se de seus parentes por apresentar a cabeça e as costas escuras. Por se encontrar em uma pequena área, qualquer alteração na floresta pode levá-los à extinção.  Para ajudar na conservação da espécie, o Instituto Mamirauá lançou uma campanha de financiamento coletivo. Ajude em www.mamiraua.org.br/ajude e conheça as recompensas exclusivas. (Foto: Fernanda Paim) 

 

Guariba (Alouatta juara)

Um dos maiores primatas neotropicais, o guariba possui uma pelagem que varia do ruivo ao castanho-escuro. Ele é famoso por seu poderoso grito, que pode ser ouvido até longas distâncias. Considerado um macaco tímido, o guariba costuma viver em pequenos grupos e se alimentar de frutos e folhas. (Foto: Anamélia de Souza Jesus) 

 

Macaco-prego (Sapajus macrocephalus)

Ele é considerado um dos macacos mais inteligentes do mundo, sendo capaz de abrir frutos de casca rígida usando pedras ou pedaços de madeira. O macaco-prego é amplamente distribuído na região amazônica, preferindo lugares com dominância de palmeiras. Costuma se alimentar de frutos e folhas, caçam insetos e pequenos vertebrados com o auxílio de ferramentas. (Foto: Marcelo Ismar Santana) 

 

Sagui-imperador, Bigodeiro (Saguinus imperator subgrisescens)

Chama atenção pelo seu bigodão branco, sendo popularmente conhecido como bigodeiro. No Brasil, esse primata pode ser encontrado nos estados do Acre e Amazonas. Também pode ser visto em outros países amazônicos, como Peru e Bolívia. (Foto: Anamélia de Souza Jesus)

Edição: Laís Maia

 

Financiadores