Instituto Mamirauá - Conservação na Amazônia - Antigos caçadores resgatam peixe-boi ferido na Reserva Amanã - https://mamiraua.org.br/pt-br/comunicacao/noticias/2012/11/13/antigos-cacadores-resgatam-peixe-boi-ferido-na-reserva-amana/

Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá

Notícias

Rafael Forte

Antigos caçadores resgatam peixe-boi ferido na Reserva Amanã

13/11/2012

Nathalia Flores

 

13/11/2012 - Desde 2001, o Instituto Mamirauá desenvolve ações em conjunto com os moradores da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amanã, a fim de envolver o conhecimento tradicional no desenvolvimento de pesquisas destinadas à conservação do peixe-boi amazônico na unidade de conservação, criada em 1998. O trabalho começou com o envolvimento de moradores com grande conhecimento sobre peixe-boi, a maioria deles com histórico de caça da espécie, nas capturas científicas desenvolvidas para rádio-marcar animais de vida livre.

Na primeira semana de novembro, o conhecimento desses ribeirinhos foi novamente solicitado pelos pesquisadores: onze ribeirinhos participaram da contagem comunitária de peixe-boi no lago Amanã. Durante a contagem - que registrou 45 animais - os antigos caçadores tiveram uma experiência inusitada: eles resgataram um peixe-boi ferido por um arpão.

A perícia, antes utilizada para matar peixes-boi, serviu desta vez para poupar um peixe-boi da caça: os antigos caçadores conseguiram dominar o peixe-boi e retiraram o arpão, que atravessava a cauda do animal.

"A arpoeira estava limenta e a pele tava engelhada. A gente supõe que ele foi arpoado há muito tempo, ainda na cheia", disse o agricultor Emilson Silva de Freitas, 47 anos, que participou do resgate do animal. "Foi uma experiência sensacional, a mais emocionante que eu tive aqui", disse a graduanda em Ciências Biológicas Nathalia Monalisa Francisco, estudante da Universidade Federal de Alfenas (MG), que há três meses faz estágio extracurricular na Reserva Amanã.

Após a retirada do arpão, o peixe-boi, macho, de 2,40m, foi solto imediatamente.

 

Caça

Relatos históricos, da época do Brasil colonial, apontam que o peixe-boi era abundante nos grandes rios da Bacia Amazônica, desde a Colômbia, Peru e Equador até a Ilha de Marajó, no Pará. Há registros de caça do animal para subsistência de tribos indígenas desde 1542. Durante os séculos XIX e XX, a caça comercial dizimou milhares de indivíduos da espécie. Não existem estimativas precisas sobre a quantidade de indivíduos na natureza, mas histórico de exploração da espécie justifica a sua classificação como vulnerável à extinção.

 

Conservação

O Instituto Mamirauá desenvolve pesquisas sobre o peixe-boi amazônico por meio do Projeto Conservação de Vertebrados Aquáticos Amazônicos (Aquavert), que recebe patrocínio da Petrobras, através do Programa Petrobras Ambiental.

 

Texto: Augusto Rodrigues

Financiadores