Instituto Mamirauá - Conservação na Amazônia - Mamirauá - http://mamiraua.org.br/reservas/mamiraua

Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá

Reservas

Rafael Forte

Mamirauá

Reserva de Desenvolvimento Sustentável

©Fernanda Freda

Mamirauá é a primeira Reserva de Desenvolvimento Sustentável brasileira, criada por decreto do Governo do Amazonas, em 1996. A proposta de uma Reserva de Desenvolvimento Sustentável é conciliar a conservação da biodiversidade com o desenvolvimento sustentável numa unidade habitada também por populações humanas.

A reserva Mamirauá está localizada a cerca de 600 km a oeste de Manaus, na região do curso médio do rio Solimões. Abrange uma área de 1.124.000 hectares, que passa pelos municípios de Uarini, Fonte Boa e Maraã. Outros importantes municípios amazonenses situam-se em sua área de influência como Jutaí, Alvarães e Tefé, o principal centro urbano da região. É em Tefé que fica a sede do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, que partilha com o Governo do Amazonas a gestão das Reservas Mamirauá e Amanã.

Antes de ser uma Reserva de Desenvolvimento Sustentável, Mamirauá foi definida como uma Estação Ecológica, a partir de solicitação feita em 1985 pelo pesquisador José Márcio Ayres para a então Secretaria de Meio Ambiente da Presidência da República. O pedido foi feito para proteger o macaco uacari-branco, espécie estudada por Ayres em seu doutorado.

O nome Mamirauá vem do lago localizado no coração da reserva e seu significado mais aceito é filhote de peixe-boi. Trata-se de um lugar singular: um complexo ecossistema de lagos, lagoas, ilhas, restingas, chavascais, paranás e muitas outras formações, que permanece de 7 a 15 metros debaixo d'água por seis meses no ano.

O acesso à reserva se dá por Tefé, que recebe voos regulares praticamente todos os dias da semana e barcos rápidos ou convencionais mais de uma vez por dia. A cidade de Tefé dista menos de 30 km da extremidade sudoeste da Reserva Mamirauá. Como a reserva é toda circundada por corpos d'água, as vias de acesso são muitas e amplas.

Uma característica fundamental da Reserva Mamirauá é a sua diversidade de habitats aquáticos e terrestres, que sofrem intensas e contínuas modificações, definidas pela dinâmica das águas na região. A variação sazonal de seca e de cheia é determinante para a flora e a fauna e toda a vida na várzea, que deve se adaptar a essa variação. Em última análise, o componente mais importante e mais dramaticamente dinâmico desse ecossistema fica por conta das águas.

Populações humanas

Dados do Censo Demográfico da Reserva Mamirauá de 2011 apontam a existência de 1.873 domicílios, com 10.867 pessoas, entre moradores e usuários da reserva.
A economia dos moradores e usuários da reserva pode ser caracterizada como camponesa e se baseia na combinação da produção de subsistência de itens básicos da alimentação (peixe e farinha de mandioca) e uma produção, pouco intensiva, para venda, composta pelos mesmos itens e, em menor escala, carne de jacaré.

As comunidades ribeirinhas situadas na reserva estão organizadas em 18 setores. Cada setor convoca assembleias periódicas nas quais são discutidas propostas de utilização dos recursos encontrados na área sob sua responsabilidade.

Fontes:

HERCOS, Alexandre Pucci; QUEIROZ, Helder Lima; ALMEIDA, Henrique Lazzarotto de. Peixes Ornamentais do Amanã. Tefé: IDSM, 2009.

SILVEIRA, Rose. José Márcio Ayres: Guardião da Amazônia. São Paulo: Rose Silveira, 2010.

INOUE, Cristina Yumie Aoki. Regime global de biodiversidade: o caso Mamirauá. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2007.

COSTA, Bernardo Lacale Silva da. Levantamento Arqueológico da RDSA  Estado do Amazonas. Belo Horizonte: UFMG, 2007. 57 f. Tese (Bacharelado em Ciências Sociais)  Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007.

RAEDER, Fernando Loschiavo. Elaboração de Plano para a Conservação e Manejo de Aves e Quelônios na Praia do Horizonte, Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, AM. Manaus: INPA/FUA, 2003. 48 f.

Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas)  Programa de Pós-Graduação em Biologia Tropical e Recursos Naturais, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Fundação Universidade do Amazonas, Manaus, 2003.

Plano de Gestão Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá. Tefé: IDSM, 2010, v.1.

 

Financiadores