Instituto Mamirauá - Conservação na Amazônia - Golfinho nariz-de-garrafa é destaque na última edição do Latin American Journal of Aquatic Mammals - http://mamiraua.org.br/pt-br/comunicacao/noticias/2017/2/2/golfinho-nariz-de-garrafa-e-destaque-na-ultima-edicao-do-latin-american-journal-of-aquatic-mammals/

Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá

Notícias

Rafael Forte

Golfinho nariz-de-garrafa é destaque na última edição do Latin American Journal of Aquatic Mammals

02/02/2017

Pedro Fruet

Um volume especial da revista científica Latin American Journal of Aquatic Mammals foi dedicado ao gênero Tursiops, com distinção para os seus representantes mais ilustres: os golfinhos nariz-de-garrafa (Tursiops truncatus). Esses animais ganharam fama por serem da mesma espécie do protagonista do filme e da série de TV “Flipper”. O artigo introdutório ao volume é assinado pela oceanógrafa Miriam Marmontel, do Instituto Mamirauá, junto a uma equipe internacional de pesquisadores e foi publicado na edição de dezembro da revista.

Os pesquisadores apontam uma contradição envolvendo os golfinhos nariz-de garrafa em uma região conhecida como Atlântico Sul Ocidental (em inglês, Southwest Atlantic Ocean - SWAO). O território abrange as zonas costeiras e marítimas da porção sul do oceano atlântico. 

Apesar de serem amistosos e populares e da presença em todos os oceanos do planeta, com exceção dos mares polares, pouca atenção tem sido dada à conservação dos Tursiops truncatus no Atlântico Sul Ocidental, uma zona de reconhecida vulnerabilidade aos impactos humanos. Por lá, os golfinhos-nariz-de-garrafa são encontrados da foz do Rio Amazonas, no Brasil, ao norte da Patagônia, com registros ocasionais na Terra do Fogo e nas ilhas Falklands. Contudo, o conhecimento sobre a distribuição da espécie e dos Tursiops em geral se concentra no sul do Brasil até a Argentina, onde residem pequenas populações destes golfinhos associadas a estuários e rios.

“Especialmente no Norte e Nordeste, são pouquíssimas as informações sobre o Tursiops, e a gente sabe que eles existem”, afirma Miriam Marmontel, que é líder do Grupo de Pesquisas em Mamíferos Aquáticos Amazônicos do Instituto Mamirauá e recentemente assumiu a presidência da Sociedade Latino-americana de Especialistas em Mamíferos Aquáticos (Solamac). “Na região Norte mesmo, na parte marinha da Amazônia, tem um ou dois registros de animais do gênero, mas é óbvio que não é só isso, faltam grupos olhando para os Tursiops”.  

Miriam explica que o objetivo do volume especial em Tursiops no Latin American Journal of Aquatic Mammals é “incentivar pesquisadores sul americanos a publicar estudos relevantes sobre os golfinhos nariz-de-garrafa”.

“Um dos maiores legados deste volume especial foi ter demonstrado a necessidade de estabelecer programas de monitoramento a longo-prazo e de que pesquisadores e poder público dediquem-se com atenção aos problemas de conservação de Tursiops na região”, reforça o biólogo Pedro Fruet, líder da publicação e coordenador do Laboratório de Mamíferos Marinhos do Museu Oceanográfico da Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Confira aqui o artigo na íntegra.

Texto: João Cunha

Financiadores